Pages Navigation Menu

"Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês." 1 Pedro 3:15

Namoro que dá gosto, não problemas

Namoro que dá gosto, não problemas

É inacreditável como, nestes tempos modernos, as pessoas iniciam um namoro (ainda é essa a palavra?). Viu, gostou, beijou, ficou, levou… pra cama. Geralmente no mesmo dia, senão na mesma hora. Não gosta mais, tchau! Alguns ficam magoados; outros não estão nem aí. “Começou, terminou, e daí?” . “Foi divertido…” “Não foi lá grande coisa, mas…  valeu a experiência!”  Eu até penso que essa frieza pode ser fingida, expressão de orgulho, de amor próprio. Ou será que a turma ficou mesmo fria assim, totalmente carnal, robotizada, nada sentimental?

Que pena! Amar, de fato, é muito bom. Olhar, olhar de novo, piscar, chegar devagar… Conversar, falar de si, ouvir do outro, conhecer, dar a mão, acariciar, beijar…  Muitos encontros (não na cama, ainda), muita curtição, muita amizade, amizade diferente das outras, muito especial. Um amor sincero, crescente… Que caretice a minha! De onde eu saí, gente?! Isso não existe há muito.

E tem mais… Essa então! É preciso orar a respeito; consultar ao Senhor de nossas vidas se esse relacionamento tem sua aprovação, se tem futuro, se vai abençoar a ambos… Sim, ainda estou escrevendo em português, não em grego… (Mas só faz sentido para quem crê mesmo em Jesus e o tem como Senhor de sua vida).

O amor pode até ser “à primeira vista”, desde que não seja essa paixão louca, cega, carnal, sexual, descomprometida. Porque se for assim, mais provavelmente não vai passar disso. É como um incêndio, senão uma explosão. Acaba depressa e deixa feridos.

Vou lembrar duas histórias bíblicas, exemplos opostos, um positivo, outro negativo.

 

Isaque e Rebeca

Num tempo em que os pais arranjavam casamento para os filhos, Abraão, patriarca de Israel, preocupou-se com a solteirice do filho Isaque, 40 anos. Não queria que ele se casasse com uma das moças pagãs e politeístas de Canaã, onde estava morando. Abraão deixara os parentes monoteístas na antiga Mesopotâmia, e tinha esperança de que uma das descendentes do seu irmão viesse a se casar com Isaque. Assim pensando, delegou ao servo mais antigo de sua casa, e o mais confiável, a difícil tarefa de ir à Mesopotâmia e encontrar noiva para Isaque.

O servo, há muito na casa de Abraão, aprendera a orar e a depender de Deus. Ao aproximar-se de Harã, na Mesopotâmia, orou pedindo a Deus que, mediante certos sinais, o ajudasse a encontrar a moça certa, “a que designaste para o teu servo Isaque”. Deus ouviu. Ele tinha mesmo designado e preparado a moça certa! E ela apareceu ali, entre outras muitas, e fez exatamente o que o servo de Abraão pedira a Deus que ela fizesse, como sinal. O pai e o irmão chato da moça também entenderam que era a direção de Deus e permitiram a partida de Rebeca e seu casamento com Isaque, que não conheciam, mas sabiam que era filho de Abraão, um monoteísta, homem de fé.

O servo de Abraão levou Rebeca até Isaque. O rapaz “conduziu-a à tenda de Sara, mãe dele [de saudosa memória] e tomou a Rebeca, e esta lhe foi por mulher. Ele a amou…” (Gênesis 24 e 25.20). Relato sucinto, sem os detalhes, sem explicar como aconteciam os casamentos. Mas você pode estar certo de que não foi só encontrar e ir para a cama.

 

Sansão e Dalila

Essa história é ainda mais conhecida. Sansão, que, se vivesse hoje, poderia juntar-se aos “Vingadores”, viu uma mulher, dentre as filhas dos filisteus, e pediu ao pai que lha tomasse por esposa. Acontece que os filisteus eram pagãos e inimigos de Israel. Os pais de Sansão tentaram dissuadi-lo, mas não adiantou (como em muitos casos hoje). Sansão estava apaixonado por Dalila, mesmo sem saber muito do seu caráter e senso de lealdade. Não demorou muito e ela o traiu, não com outro homem, mas entregando-o aos seus inimigos filisteus. Eles lhe vazaram os olhos e o fizeram escravo (Juízes 14-16).

E então, namorados ou pretendentes? Dá para ir mais devagar, com com calma, juízo e oração?

 

Leia também:

Namore pra valer!

Namore pra valer!

 

 

Pr. Éber Lenz César, namorando com Márcia há 55 anos

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *