Pages Navigation Menu

"Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês." 1 Pedro 3:15

Ansiedade II

Estamos recordando algumas respostas bíblicas ao problema da ansiedade. Para entendê-las,  precisamos rever nosso conceito de Deus, de paz e de santidade. Já falamos sobre Deus, lembrando que o chamado “temor do Senhor” não é medo que  afasta; é reverência e respeito. Este sentimento não exclui a possibilidade de aproximação, intimidade e confiança. O Senhor é Soberano, Todo-poderoso, Tremendo, sim, mas é também um Pai amoroso e Pastor cuidadoso. Podemos e devemos “derramar o coração” diante dele quando ansiosos ou angustiados, na certeza de que ele nos socorrerá e nos restituirá a paz.

Conceito de paz.

É importante observar, também, que paz não significa, necessariamente, ausência de adversidades e provações. Uma idéia errada a respeito gerará frustrações. As coisas não acontecerão como o esperado e seremos levados a pensar que Deus não cumpre suas promessas ou não cuida de nós.

Com razão, gostamos de orações como esta:

“Tu, Senhor, conservarás em perfeita paz aquele cujo propósito é firme; porque ele confia em ti” (Is 26.3).

Ou de promessas como esta de Jesus:

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou… Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (Jo 14.27).

Todavia, a paz de Deus não é “mar de rosas”. Não é indiferença e passividade. É certeza que inclui preocupação, ocupação antecipada com necessidades e responsabilidades futuras. Não é resignação irremediável. É certeza que inclui indignação contra toda maldade e injustiça que se interpõem nos caminhos de Deus. Não é auto complacência. É certeza que inclui o senso de autocrítica. Sim, porque, complacentes, privamo-nos da paz de Deus permanecendo  no erro e no pecado.

A preocupação, a indignação e a autocrítica perturbam, angustiam às vezes! Mas são necessárias. O mesmo Paulo que garantiu: “… a paz de Deus… guardará a vosso coração e a vossa mente”,  exortou: “…desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor” ( Fp 2.12).

Horácio Spofford, rico advogado, filho espiritual de D. Moody, presenteou a esposa e as quatro filhas com umas férias na Europa. A meio do oceano, o navio naufragou. Dias depois, Spofford recebeu um telegrama da esposa: “Somente eu sobrevivi” Ele foi buscar a esposa na Irlanda, para onde ela fora levada, quando resgatada. No meio do oceano, próximo ao local onde suas filhas e tantos outros tinham perdido a vida, Spofford, olhando para o mar, compôs este hino, que, hoje, é um dos mais apreciados no mundo evangélico:

Se paz a mais doce me deres gozar,
Se dor a mais forte sofrer,
Oh, seja o que for,Tu me fazes saber,
Que feliz com Jesus sempre sou!
Sou feliz! Com Jesus, meu Senhor!”…

Conceito de santidade.

Tendemos a pensar que os crentes mais espirituais ou santos nunca ficam ansiosos. E não ficam mesmo! Mas eles têm, sim, momentos de ansiedade! A diferença é que eles logo superam essa emoção com oração e confiança em Deus. Em seguida à luta, vêm a paz e tranquilidade.

Examine estes exemplos bíblicos:  Jó (Jó 1.8; 3.24-26); Elias (I Re 19.1-4); Pedro  (Mt 14.25-32); Paulo (I Co 2.3; II Co 7.5). E o que dizer de Jesus? Na noite anterior à sua crucificação, ele levou para o Getsêmani os seus discípulos mais íntimos e lhes disse: “A minha alma está profundamente triste até à morte; ficai aqui e vigiai comigo”. Em seguida, orando à parte, ele disse: “Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice…” (Mt 26.38). A angústia foi tal que ele transpirou sangue! (Lc 12.50). Que foi que o homem Jesus sentiu nessa noite terrível Tristeza, angústia, medo, ansiedade? Teólogos sérios como W. Strawson e O. Cullman entendem assim. Strawson justifica-se dizendo:

“O indivíduo verdadeiramente cristão e corajoso vai em frente, a despeito do medo ou da ansiedade, confiando na poderosa ajuda do Senhor e trabalhando a própria mente e o próprio  coração”.

Num contexto de críticas, perseguição, adversidade e perdas, situações que geram ansiedade, o apóstolo Pedro escreveu:

“Humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus… lançando sobre  ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós…” (I Pe 5.6-7).

Humilhar-se no sentido de aceitar ou submeter-se, sabendo que as tais críticas, perseguições ou adversidades são permitidas por Deus e têm um propósito. A “poderosa mão de Deus” está no contrôle. Geram ansiedade, sim, mas o apóstolo nos diz que podemos e devemos recorrer a Deus, para acalmar o coração, recuperar a paz e a confiança.  Note que o apóstolo não não disse “ponham”; disse “lancem”. Pomos alguma coisa perto de nós e podemos pegá-la de volta facilmente; lançamos para longe, e fica mais difícil pegar de volta. É para falar com Deus a respeito, abrir o coração e descansar, porque, “ele tem cuidado de vós”. Leia Is 41.13 e Fp 4.6-7.

O apóstolo Paulo ensinou que podemos fazer isso por meio da oração:

“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará o vosso coração e a vossa mente em Cristo Jesus” (Fp 4.6-7).

Necessidade de sobriedade e vigilância.

Podemos até pensar que Pedro deveria ter encerrado o assunto com esta frase tão confortadora: “… ele tem cuidado de vós” (v.7). Mas no verso seguinte, ele faz uma advertência muito séria:

“Sede sóbrios e vigilantes. O Diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge, procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé…” (v.8)

O adversário mais terrível não é este ou aquele indivíduo que nos critica ou persegue; e as adversidades ou perdas não seriam tão terríveis se o Diabo não estivesse à volta como leão faminto querendo nos devorar, ou seja, solapar a nossa fé e destruir-nos. Ele alimenta a nossa ansiedade, faz-nos pensar que Deus, afinal, não se importa conosco, não tem cuidado de nós!

Pedro

  • sobriedade (equilíbrio emocional, pensar direito)
  • vigilância (atenção, não dar moleza)
  • resistência (opor-se com firmeza, não ceder)

E, por fim, o apóstolo lembra mais uma coisa importante:

“… sofrimentos iguais aos vossos estão se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo” (vs. 8-9).

Não somos filhos preteridos, esquecidos, nem coitadinhos. Nem devemos ficar muito surpresos com as críticas e os revezes da vida. É assim mesmo, com todos. Nossos irmãos em todo o mundo, também estão passando por dificuldades, também têm ansiedade, também são tentados, também têm que orar, lançar suas preocupações e angústias nas mãos poderosas daquele que cuida de todos nós.

Pr. Éber Lenz César (eberlenzcesar@gmail.com)

Ansiedade I

Ansiedade III

 

One Comment

  1. Me gusta saborear y visitar blogs, aprecio mucho el contenido, el trabajo y el tiempo que ponéis en vuestro blog. Buscando en por hay he encontrado tu blog. Ya he disfrutado de varios artículos, pero este es muy ameno, es unos de mis temas predilectos, y por su calidad me ha distraído mucho. He puesto tu sitio en mis favoritos pues creo que todos tus publicaciones son interesantes y seguro que voy a pasar muy buenos momentos leyendolos.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *