Pages Navigation Menu

"Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês." 1 Pedro 3:15

4. Aprendendo no deserto

Pastorais de Pandemia

4. Aprendendo no deserto

Minha única experiência num deserto foi quando visitei as pirâmides do Egito… Mas não é aquela imensidão de areia, a perder de vista. Deserto, deserto mesmo, é algo assustador: sol causticante, vento abrasador…Sem referências, é fácil se perder. Loucura se meter ali sem um guia experiente.

Na vida, enfrentamos desertos, tempos difíceis… Esta pandemia é um deserto extenso que inclui isolamento, desemprego, home office, aulas on-line, cultos on-line, compras delivery, confusão e instabilidade política… e mortes aos milhares. Coisa terrível! Menos, se temos um Guia. E nós O temos, certo? Ele nos leva direitinho aos oásis, e nos salva.

Na Bíblia, a experiência de deserto mais notável foi a de Israel. Eles perambularam em sucessivos desertos durante 40 anos! Seu Guia e Protetor foi o próprio Deus, manifesto numa coluna de nuvem de dia, e numa coluna de fogo à noite. Moisés foi apenas um instrumento. Foi duro, mas quanto aprenderam (ou poderiam ter aprendido)! Destaco o seguinte.

Não lhes faltou provas do cuidado e da misericórdia de Deus. Além do livramento na passagem pelo Mar Vermelho, Deus lhes proveu pão diariamente, pão que caía do céu! (Onde já se viu!). Quando lhes faltou água, Deus transformou água amarga em água potável e fez brotar água da rocha; Quando quiseram carne, Deus lhes enviou codornizes de montão. Deus lhes proveu mais que o necessário para seus corpos; proveu-lhes também mandamentos, estatutos, templo, sacerdotes e adoração.

Porém, o povo murmurava mais do que agradecia! Chegou mesmo ao absurdo de adorar um bezerro de ouro. Tanto murmuraram, tanto foram infiéis, que, por fim, Deus os impediu de entrarem na Terra Prometida, excessão de seus filhos, nascidos no deserto, e de Josué e Calebe, em quem havia “outro espírito” (Nm 14.20-35).

Nesse nosso deserto pandêmico, é imprescindível seguir o Guia, alimentar-se com o maná diário de sua Palavra e de tantas pregações on-line; beber da água viva que só Jesus pode dar, e aprender a depender de Deus e ser agradecido. Como diz o hino antigo: “O meu Guia e Protetor é sempre o Senhor!”

Pr. Éber Lenz César (eberlenzcesar@gmail.com)

Igreja Sal da Terra Brasília, 02/06/2020

Leia as outras mensagens desta série:

1. Espera pelo Senhor!

2. Uma luz no fim do túnel

3. Mais tarde do que nunca!

4. Aprendendo no deserto

5. E todas estas mortes?

6. Contágio

7. Ainda ouso ter esperança!

8. Santo remédio

9. Relva verde

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *