Pages Navigation Menu

"Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês." 1 Pedro 3:15

Alegria, apesar de tudo!

Alegria, apesar de tudo!

Mark Twain, humorista profissional que fez rir milhares de pessoas em todo o mundo, não foi ele próprio um homem feliz. Quando sua filha Jean morreu de um ataque epiléptico, Twain, que estava muito doente para ir ao funeral, disse a um amigo: “Nunca tive inveja de ninguém, a não ser dos mortos. Sempre invejo os mortos!”

Jesus “foi um homem de dores e que sabe o que é padecer” (Is 53.3), mas possuía uma alegria capaz de superar circunstâncias as mais adversas. Avizinhando-se o seu sacrifício na cruz, Ele confortou os discípulos com um belíssimo discurso, e acrescentou: “Tenho lhes dito estas palavas para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa”
(Jo 15.11).

Ainda hoje, os que crêem em Deus e o servem têm alegria, porque, como disse um salmista,”Tu me farás conhecer a vereda da vida, a alegria plena da tua presença…” (Sl 16.11). É assim também com os que confiam em Jesus e o recebem como seu Salvador e Senhor.  O apóstolo Paulo escreveu aos Filipenses:

“Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se!” (Fl 4.4).

Há sobejos motivos para nos alegrarmos “no Senhor”, isto é, com o que o Senhor Jesus é, fez e faz por nós. Por que, então, muitos cristãos parecem viver sob uma nuvem de decepções e tristezas? O que lhes tem roubado a chamada alegria cristã?

O segredo da alegria

A resposta encontra-se numa pequena carta que o apóstolo Paulo escreveu aos cristãos Filipenses, em 62 d. C..  O apóstolo estava preso em Roma, quando a escreveu. Tinha sido acusado injustamente e enviado à capital do Império Romano para  ser julgado por César, o imperador.  Tinha passado pelas maiores dificuldades.  No entanto, esta sua carta é mais alegre do Novo Testamento. Os termos alegria, gozo e regozijo aparecem dezenove vezes. O apóstolo literalmente transborda de alegria. Qual o seu segredo? A mente, a maneira de pensar. O apóstolo fala da mente dez vezes; usa o verbo pensar umas cinco vezes, e o verbo lembrar  pelo menos uma vez.

Assim, aprendemos nesta pequena carta que

o segredo da alegria do cristão está no seu modo de pensar, nas suas atitudes mentais.

Filipenses é um livro de psicologia cristã, não do tipo superficial que diz “pense positivamente, e tudo estará bem”. O apóstolo não ilude os cristãos dizendo-lhes que não terão problemas, que não passarão por dificuldades. Pelo contrário, mostra-lhes o tipo de mente que devem ter se quiserem experimentar alegria genuína num mundo cheio de problemas.

Ladrões da alegria 

Pode-se estudar a carta de Paulo aos Filipenses procurando, em cada capítulo, os ladrões da alegria e, então, as atitudes que podem capturar e impedir estes ladrões.

1. As circunstâncias.

Temos que confessar que, quando as coisas estão bem, sentimo-nos muito mais felizes e alegres. Mas, será que o nosso estado de espírito deve depender tanto assim das circunstâncias? Já lhe ocorreu que nós quase não temos controle sobre as circunstâncias? Lembre-se de que Paulo vivia circunstâncias as mais adversas quando escreveu a carta aos Filipenses, cheia de alegria.

2. As pessoas. 

Uma adolescente voltou da escola, entrou em casa pisando duro, foi direto para o quarto, bateu a porta e ficou resmungando alto: “Pessoas… pessoas…”  Seu pai bateu à sua porta e perguntou:

– Posso entrar?

– Não, respondeu a filha.

– E por que não?, insistiu o pai.

– Porque você é uma pessoa, disse a filha.

Todos já perdemos a alegria alguma vez por causa das pessoas, pelo que são, pelo que dizem, pelo que fazem. E, é claro, nós também já roubamos a alegria de alguém…  “Nenhum de nós vive apenas para si, e nenhum de nós morre apenas para si”  (Romanos 14.7 NVI).  Haverá algum modo de conservar a alegria interior, apesar das pessoas?

3. As coisas.

Um homem rico estava descarregando sua mudança em sua nova mansão. Um vizinho, de vida simples,  observava. Contou os móveis e tudo o que ia entrando naquela mansão. Por fim, aproximou-se do dono da mansão e lhe disse: “Vizinho, se precisar de mais alguma coisa, procure-me e eu lhe mostrarei como pode passar sem ela.”

Jesus disse:  “Cuidado! Fiquem de sobreaviso contra todo tipo de ganância; a vida de um homem não consiste na quantidade dos seus bens” (Lucas 12.15. Ver Mateus 6.19-21). A alegria verdadeira não vem das coisas. Na verdade, as coisas, muitas vezes, atuam como “ladrões da alegria”. 

4. A preocupação.

Provavelmente, este é o pior dos ladrões da alegria. Rouba a alegria e maltrata o corpo. Os medicamentos podem afastar os sintomas, mas não removem as causas. Pode-se comprar sono, não descanso. Se o apóstolo Paulo quisesalegria-ppt01se se preocupar, teria motivos de sobra..

São estes os “ladrões da alegria” mencionados na carta aos Filipenses, direta ou indiretamente. Como apanhá-los e impedir que continuem roubando nossa alegria?

Os quatro capítulos da carta de Paulo aos Filipenses descrevem, cada um deles, uma atitude que pode capturar estes ladrões e permitir que tenhamos alegria

✓a despeito das circunstâncias

✓a despeito das pessoas

✓a despeito das coisas

✓a despeito das preocupações

Assim:

Capítulo 1    –   Circunstâncias    –  Mente cristocêntrica

Capítulo 2   –   Pessoas                 –  Mente submissa

Capítulo 3   –   Coisas                   –  Mente espiritual

Capítulo 4   –   Preocupações      –  Mente segura

É sobre isto que vamos refletir nesta série de mensagens.  Acompanhe.

Perguntas para discussão nos Pequenos Grupos

  1. Leia a carta de Paulo aos Filipenses.
  2. Em que circunstâncias Paulo a escreveu.
  3. Que ladrões de alegria ele menciona? Você os conhece?
  4. Você está mais para alegria ou para tristeza?
  5. Que atitudes mentais nos ajudariam a preservar a alegria cristã?
  6. Que significa praticamente alegrar-se no Senhor?

(Éber César. Ideias básicas extraídas de “Seja Alegre”, de Warrem Wiersbe, Ed. Núcleo, Portugal).

 

Veja todas as  mensagens desta série em PDF

1. Introdução

2. Mente cristocêntrica (Fp 1)

3. Mente submissa (Fp 2)

4. Mente espiritual (Fp 3).

5. Mente segura (Fp 4)

Apresentação em PowerPoint destas mensagens:

1. Introdução

2. Mente cristocêntrica (Fp 1)

3. Mente submissa (Fp 2)

4. Mente espiritual (Fp 3).

5. Mente segura (Fp 4)

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *